Passar para o Conteúdo Principal
 
Hoje
Hoje
Máx C
Mín C

logo pampilhosa

 

Fajão - Vidual

Em terras de Fajão - Vidual as lendas e fábulas de encantar fazem destas terras locais míticos e ancestrais. Descubra e transporte-se para um tempo de sonhos marcado pela sua história e pelas ilustres personagens que compõem o imaginário desta terra. Percorra as ruas e vielas da Aldeia do Xisto de Fajão com paragem recomendada no Museu Monsenhor Nunes Pereira. Nos trilhos do alto Ceira, visite o Rádio Telescópio, que monitoriza a galáxia e os fundos cósmicos em micro ondas, único no Hemisfério Norte. A joia do concelho, a Barragem de Santa Luzia, está situada nesta freguesia. Mergulhe nas águas límpidas da albufeira. Para um passeio inesquecível apanhe boleia de e contemple a crista quartzítica que faz desta paisagem lugar único e sublime onde o verde nos irrompe pelo olhar. Usufrua das magníficas infraestruturas, desde a ciclovia, circuito de manutenção, Bar de Apoio, piscina fluvial, campo de mini golfe, centro de BTT e Skate Park.

 

imagem
imagem

 

PRESIDENTE:

Carlos Alberto Antunes Simão

imagem

 

SECRETÁRIO:

Pedro Miguel Neves Fernandes

imagem

 

TESOUREIRO:

Américo Emílio de Almeida

Morada:
Fajão
3320-080 Fajão

E-Mail:
jffajaovidual@gmail.com

Telefone:
235 751 317
963 751 316

Fax:
939 372 002

Atendimento ao Público:
Segunda a Sexta

Horário:
09:00h - 12:30h
14:00h - 17:30h

Área Total (km2):
79.60

Número de Povoações:
17

Número de Habitantes (Censos 2011):
317

Heráldica:
imagem

Brasão: escudo de ouro, dois castanheiros arrancados de verde com ouriços de prata e campanha de burelas ondadas de cinco tiras de azul e prata. Coroa mural de prata de quatro torres. Listel de prata ondulado com legenda em letras negras maiúsculas “FAJÃO -VIDUAL”.

Bandeira: esquartelada de azul e amarelo. Cordões e borlas de ouro e azul. Haste e lança douradas.

Selo: nos termos do artigo 18 da Lei n.º 53/91, com a legenda “Freguesia de Fajão -Vidual”.

História:

De acordo com Pinho Leal, "Fajão, Faiões e Fajões são corrupção de nome próprio de homem (godo) "Fajão".

Fajão recebeu foral de D. Pedro Mendes, prior do Mosteiro de Folques, em Junho de 1233. Foi Senhor desta antiga vila o referido Mosteiro e posteriormente, com a criação da congregação crúzia, o Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra. Este concelho foi extinto e incorporado no de Pampilhosa da Serra, pela reforma administrativa de 1855.

Em 2013 com a agregação de freguesias, Vidual e as suas anexas, Casal da Lapa, Vidual de Baixo e Vidual de Cima passaram a pertencer à freguesia de Fajão - Vidual. A aldeia de Vidual de Baixo foi submersa em 1943 (exceto duas casas) pela albufeira da Barragem de Santa Luzia, surgindo a nova povoação de Casal da Lapa. Vidual havia sido elevado a freguesia em 1815, ano em que deixou de pertencer à de Unhais-o-Velho. Já como freguesia pertenceu ao concelho de Fajão, passando a integrar o de Pampilhosa da Serra em 1855.

Atualmente, a freguesia é constituída pelos lugares de Boiças, Camba, Casal da Lapa, Castanheira da Serra, Cavaleiros de Baixo, Cavaleiros de Cima, Ceiroco, Ceiroquinho, Covanca, Fajão, Gralhas, Mata, Ponte de Fajão, Porto da Balsa, Vale Pardieiro, Vidual de Baixo e Vidual de Cima.

Património Natural e Cultural:

Antiga Casa da Câmara e Cadeia - A Antiga Cada da Câmara e Cadeia é hoje uma acolhedora hospedaria. O edifício, embora um pouco alterado relativamente à traça original, é um exemplo da arquitetura rural que alia a simplicidade do traçado aos materiais típicos da região: o xisto.

"A Cadeia" (nome da pousada) é apoiada pelo restaurante "O Juiz", onde se podemos saborear pratos típicos da região como o javali assado, as trutas, chanfana, etc.

Igreja Paroquial - A Construção deste templo teve início a 2 de Junho de 1788. Trata-se de um edifício de linhas sóbrias ladeado à direita pela torre sineira, unida de forma original ao corpo da igreja através de um arco. A porta principal é de verga curva, com cimalha ondulada.

No interior podem ser contemplados os altares de madeira entalhada, sendo o principal do século XVII e os colaterais os gosto do final de setecentos. Do antigo templo recebeu a pia batismal, a imagem de S. Teotónio e as imagens de S. Simão e de Nossa Senhora do Rosário, de pedra, da 2ª metade do século XVI.

Igreja Paroquial - Erigida à entrada da povoação, a nova Igreja Paroquial é um templo de linhas arquitetónicas modernas. Foi inaugurada em 1971 e tem por padroeiro S. Sebastião. De planta poligonal, sobressai do lado direito a torre sineira de base retangular. Esta nova Igreja foi construída no local onde se encontrava a antiga Capela de S. Sebastião, que foi benzida por provisão de 20 de Setembro de 1823, concedida por D. Bernardo António de Figueiredo, Prior de S. Paio e Provisor do Bispado da Guarda.

Capela de Nossa Senhora da Guia - É uma construção moderna, traçada pela mão do arquiteto Armando Alves Martins. O altar foi idealizado pelo Monsenhor Nunes Pereira e as seis telas que retratam algumas cenas da vida de Cristo são da autoria do pintor fajaense Guilherme Filipe.

Capela de S. Salvador - Edifício simples, de planta retangular e de uma só nave. A fachada é recortada pela porta emoldurada com pedras (acrescento recente), ladeada por dois rasgos verticais e encimada por um pequeno óculo. No interior está a imagem do titular, S. Salvador, de pedra, provavelmente dos finais do séc. XVI.

Capela de Santo António - A capela de Santo António, erigida no meio da povoação, foi a antiga Igreja Paroquial. O templo, de modestas proporções, tem apenas 18 metros de comprimento por 6,47 metros de largura. A torre está adossada ao lado direito do edifício e foi construída já depois de Vidual ter sido elevada a freguesia. A porta é de verga curva com cimalha do mesmo recorte.

No interior estão quatro altares com tribunas entalhadas do final do século XVIII. O altar-mor ostenta um retábulo com a "Coroação da Virgem", da autoria da conterrânea Júlia Nunes de Brito, que o ofereceu à Igreja em 1953. Trata-se de uma cópia da "Coroação da Virgem" de Velásquez exposta no Museu do Prado, em Madrid. Os altares laterais são muito simples denunciando alguns elementos renascentistas.

O altar do lado da Epístola tem duas redomas. Na superior está a Imagem da Senhora das Dores, de madeira policromada, obra dos finais do século XVIII e na inferior está o Senhor dos Aflitos, também de madeira policromada, da mesma época.

Do lado do Evangelho fica o altar de Santa Bárbara. Este altar foi oferecido pelo Padre Manuel José Nunes, natural da freguesia. Junto ao púlpito fica o altar do Coração de Jesus, mais simples e mais recente que os outros altares. Julga-se ter sido mandado construir pelo Padre Amaral, natural de Pescanseco. O seu custeamento foi feito com o dinheiro das bulas de dois anos.

Museu Monsenhor Nunes Pereira - Monsenhor Nunes Pereira, natural da Mata, foi o grande entusiasta da criação de um museu nesta aldeia, que acolhesse com dignidade a história da freguesia, bem como do concelho. A ideia nasceu e de imediato se lançou "mãos à obra" n recuperação de uma casa que servisse para albergar dignamente as memórias da terra. Assim nasceu o Museu Monsenhor Nunes Pereira, inaugurado a 13 de Setembro de 1997 e ampliado em 16 de Abril de 2000.

Este espaço museológico veio despertar para a consciência do rico e vasto património local e da necessidade da sua preservação. Aqui está concentrado boa parte do espólio pessoal do Monsenhor onde, em gesto de justa homenagem, reuniu a oficina do seu pai António Nunes Pereira, grande escultor da região. Dos núcleos de arte destaque para o da pintura do qual faz parte um retracto de Monsenhor, de 1960, saído da mão do ilustre fajaense Guilherme Filipe.
Para além do edifício principal, que reúne toda a coleção, este Museu conta com um outro edifício, fronteiro, que alberga a Sala de Exposições Temporárias e a sala do Artesanato da Freguesia.

Lagar de Vara - Ao fundo da aldeia ainda se pode ver um lagar de vara, tipicamente português, movido a água, construído em 1941.
Casario de Xisto

Miradouro de Nossa Senhora da Guia - Espaço de contemplação que permite ver em primeiro plano a aldeia de Fajão.

Penedos de Fajão - Constituem um verdadeiro santuário de pedra, servindo de base a muitas lendas e tradições. Os rochedos desenham autenticas esculturas batizadas pela imaginação popular. Assim é a pedra que abana, uma verdadeira obra da natureza, de onde se pode perder o olhar no vale encaixado que vai até à Ponte de Fajão.

Barragem de Santa Luzia - A construção desta barragem iniciou-se em 1931 e em 1934 procedeu-se ao levantamento da albufeira, que terminou em Março de 1935. A bacia hidrográfica de Santa Luzia tem 50 Km2 e recebe água da albufeira do Alto Ceira, canalizada através de um túnel de derivação com 6.945 metros de comprimento. Os trabalhos da Barragem terminaram em 1942 com o fecho das comportas em Novembro desse ano, pela Companhia Elétrica das Beiras.

O nome dado à barragem proveio da Ermida de Santa Luzia existente nos penedos, no limite das freguesias de Vidual e Cabril. Esta pequena capela foi mandada construir em 1930, pelo particular Francisco Pedro Simões, natural da Malhada do Rei, em cumprimento de uma promessa.

Barragem do Alto Ceira e Parque de Merendas

Ponte de Cartamilo

Contos de Fajão - Os tradicionais Contos de Fajão, recolhidos e publicados em 1989 pelo Monsenhor Nunes Pereira, são o testemunho da riqueza lendária da região. Muitos deles remontam à Idade Média e o "Juiz de Fajão" representa um símbolo, transmitido de geração em geração.

Artesanato

Miniaturas em xisto (relógios, casinhas)

Orago

Nossa Senhora da Assunção, celebrada anualmente a 15 de Agosto.

Links
Partilhar