Passar para o Conteúdo Principal
 
Hoje
Hoje
Máx C
Mín C

logo pampilhosa

 

Feriado Municipal

Contexto Histórico

O Feriado Municipal é comemorado a 10 de abril, assinalando um marco histórico da vida concelhia.

No tempo de D. Fernando Pampilhosa vira-se integrada no termo da Covilhã. Os homens- bons, descontentes com tal decisão, dirigiram-se às Cortes de Coimbra de 1385, dando a conhecer a D. João I os agravos que o concelho sofria.

O monarca acedeu e, em resposta ao pedido dos representantes do povo da Pampilhosa, emanou a 10 de abril de 1385 uma Carta de Privilégios, pela qual reconheceu a sua autonomia.

Este ato assumiu ao longo dos tempos uma importância extrema no seio da comunidade local, levando, em 1937, a Comissão Administrativa do Concelho a fixar o Feriado Municipal a 10 de abril de cada ano, recordando deste modo o dia em que a Pampilhosa recebeu das mãos d’El-Rei D. João I, o de Boa Memória, a carta comprovativa dos seus privilégios, prerrogativas e direitos como vila.

Discurso do Sr. Presidente da Câmara Municipal (10.04.2016)

Exmo. Senhor Ministro Adjunto, Dr. Eduardo Cabrita; Exmo. Senhor Presidente da Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra, Dr. João Ataíde; Exmo. Senhor Vice Presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro, Dr. António Júlio Veiga Simão; Exmo. Senhor Desembargador Luís Lameiras, Chefe de Gabinete e em representação do Senhor Presidente do Supremo Tribunal de Justiça, Dr. António Henriques Gaspar, nosso ilustre conterrâneo; Exmos. Senhores Deputados da Assembleia da República; Exmo. Senhor Coordenador Adjunto da Unidade de Missão para a Valorização do Interior, João Paulo Catarino, Exmo. Senhor Presidente da Assembleia Municipal; Exmos. Senhores Deputados da Assembleia Municipal; Exmos. Senhores Vereadores; Exmos. Senhores Presidentes de Junta de Freguesia; Caros Colegas Autarcas de Concelhos Vizinhos; Senhores representantes de entidades militares, civis e religiosas; Comunicação Social; Ilustres Convidados; Caros Pampilhosenses.
 
Hoje é o dia em que temos a obrigação de honrar os pampilhosenses. Aqueles que ao longo da história nunca desistiram e lutaram pela sua terra.

Hoje é o dia em que assinalamos o fim da injustiça imposta por D. Fernando ao anexar a Pampilhosa ao concelho da Covilhã e da vitória dos pampilhosenses que com determinação, acreditaram na sua autonomia, reconhecida por D. João I nas Cortes de Coimbra de 1385.

Essa determinação valeu a pena!

Não pela Covilhã, da qual somos vizinhos e amigos e que emprega muitos pampilhosenses nas Minas da Panasqueira, mas pela grandeza do nosso território, em área, e pela excelência dos nossos recursos.

Senhor Ministro Adjunto, Dr. Eduardo Cabrita, é para nós subida honra ter Vossa Excelência connosco neste dia. Penso que é a terceira vez que nos visita, e nem sempre em momentos fáceis.
 
Não esqueço que, após os incêndios de 2005, que dizimaram mais de dois terços deste território, seguidos de grandes inundações, o Dr. Eduardo Cabrita aqui esteve para assinar um contrato-programa com o então Presidente da Câmara, Hermano Almeida, que permitiu requalificar todas as estradas atingidas.

Hoje está aqui novamente, e os pampilhosenses dizem:

Bem-haja por estar connosco neste dia!

Vossa Excelência, Senhor Ministro Adjunto, bem sabe que a luta deste povo soma décadas. Nunca, mas mesmo nunca, deixarei de lutar por respostas adequadas e justas aos problemas deste concelho e desta região.

O dia em que o não fizesse, deixaria de merecer a confiança deste povo maravilhoso e de honrar os nossos conterrâneos que, com grande determinação, levaram D. João I, nas Cortes de Coimbra, a anular a nossa anexação à Covilhã.

Senhor Ministro Adjunto, hoje vou fazer-lhe apenas um pedido, fundamental para este concelho, e que todos vão compreender. Antes, permita que refira o outro objetivo desta cerimónia, que é distinguir e honrar diversos pampilhosenses, que pelo seu percurso de vida e pela sua entrega, são fundamentais para o concelho e para o país.
 
Dr. Eduardo Cabrita,

hoje, dia de festa, é dia de afetos, é dia de convívio e de alegria. É o dia da Pampilhosa da Serra. É o dia das pessoas e para as pessoas. É dia de reconhecermos a vontade férrea de vencer na vida.

A Câmara Municipal decidiu por unanimidade atribuir a Medalha Municipal de Valor e Altruísmo a sete pessoas, sete grandes exemplos!

Permitam-me que refira em primeiro lugar o meu amigo Carlos Simões.

Não é por ter sido um grande amigo que o refiro, em primeiro lugar; é porque, para além de ter estado de forma exemplar no seu trabalho, nunca deixou de se interessar pelas “coisas” da Pampilhosa, por tudo!

Infelizmente partiu cedo de mais!

Foi um grande amigo, um grande pai e marido.

Foi um enorme pampilhosense.

O Carlos, que viveu tão depressa, e deixou tantas saudades e tantos amigos, foi também o principal colaborador da Dr.ª Telma, na criação da Fundação Dr. José Fernando Nunes Barata.

Obrigado Carlos!

Senhor Ministro Adjunto, Vossa Excelência já percebeu que Pampilhosa da Serra tem em Lisboa uma grande comunidade, cerca de trinta mil descendentes deste concelho. Todos eles com percursos de vida diferentes, mas, na sua maioria, com caminhadas de sucesso em diferentes setores.
 
Os nossos conterrâneos José Henrique Martins de Almeida, Carlos Alberto de Almeida e Arnaldo Rodrigues de Almeida são exemplo, sendo-lhes atribuída a Medalha Municipal de Valor e Altruísmo.

Grandes empresários, grandes homens, grandes pampilhosenses.

As suas caminhadas de sucesso, nunca impediram uma forte ligação ao seu concelho, traduzida em investimentos vários, grande participação em inúmeras iniciativas e apoio aos mais carenciados.

Muito obrigado pela forma ativa e colaborante que sempre têm.

António Monteiro Antunes Robalo, nascido em Vidual de Cima, de onde saiu muito jovem.

Há tempos contou-me o seu começo: uma, duas garagens em Lisboa, que serviam de armazém. Quem quiser sentir o que é subir a pulso, visite os armazéns do Grupo Pollux em Vila Franca de Xira e perceberá.

Ninguém imagina a forma como, ainda hoje, o nosso conterrâneo António Robalo vive o negócio; parece que os anos não passaram por ele. Parabéns, amigo António Robalo!

Continuando a falar do Vidual, quero agora referir o grande amigo Carlos Pereira, descendente de vidualenses que, na sua juventude, migraram para Lisboa.

O Carlos, nunca deixou de participar nas festas e eventos do concelho.

Quando estava no Sporting, jogava connosco, naqueles campos de então no Vidual, sujeitando-se a algumas caneladas, e sendo para nós, adolescentes, motivo de grande admiração.

O Carlos Pereira continua a colaborar connosco, ajudando também os mais carenciados e animando as nossas iniciativas.

Grande Carlos Pereira!

Parabéns pelo teu percurso de vida e por nunca teres esquecido o concelho do qual te sentes natural.

Senhor Ministro Adjunto, a grande comunidade pampilhosense em Lisboa, cedo se uniu e lutou pelo desenvolvimento do seu concelho. A Casa do Concelho de Pampilhosa da Serra em Lisboa, presidida pelo amigo José Ferreira, aqui presente, é a sede de cerca de oitenta coletividades regionalistas.

Tem, há muitos anos, um Rancho Folclórico que preserva a nossa cultura e as nossas tradições. Lança todos os meses um jornal, o “Serras da Pampilhosa”, onde divulga muitos dos acontecimentos que aqui têm lugar.

Estas iniciativas, e a sua concretização, devem-se a pessoas que se entregam de alma e coração à causa, que ajudam, que trabalham, que dão o seu tempo.

Muitos têm sido aqueles que mereceriam grande reconhecimento por parte de todos nós, mas hoje, é o dia de dizer obrigado à grande Isaura do Carmo Costa Fernandes!

Cinquenta anos de dedicação ao Regionalismo, com diversos cargos ligados à Casa do Concelho e à Liga Pró-Melhoramentos da Freguesia de Fajão. Obrigado, amiga Isaura!

Costumam dizer que ao lado de um grande homem está sempre uma grande mulher. Permita que brinque com a frase e diga que, neste caso, é ao contrário. Obrigado amigo António por ser aquele que está ao lado de uma grande mulher.

Para três colaboradores do Município, que se aposentaram no ano de 2015, é atribuída a Medalha de Bons Serviços: Jorge Dias, José Nunes e Mário Mendes.

Todos eles, em diferentes atividades, desempenharam cabalmente a sua missão, tendo dado o seu contributo para a resolução de muitos problemas.

Bem sabem a importância que dou a todos os colaboradores. Independentemente da sua missão, todos são fundamentais. Nenhum executivo consegue concretizar os seus objetivos, se não tiver total dedicação por parte dos seus colaboradores.

Obrigado a todos!

Senhor Ministro Adjunto, Dr. Eduardo Cabrita, estamos no coração do Pinhal, um território de baixa densidade, mas com grandes potencialidades. O Turismo de Natureza, a floresta, as energias eólica e hídrica, são exemplos de sucesso e de grandes fontes de riqueza.
 
Pampilhosa da Serra já é conhecida por muitos e bons motivos: as nossas praias fluviais de excelência; sete percursos pedestres já homologados, que se estendem por paisagens maravilhosas; três rios e três barragens, com excelente qualidade de água;

o nosso ar puro; as nossas Aldeias do Xisto; a nossa gastronomia e as nossas gentes que sempre acolhem de forma simpática, fazem com que possamos dizer que todo este esforço tem valido a pena!

Senhor Ministro Adjunto, no verão, a população do concelho quintuplica, sinal de que, cada vez mais este território, pelo seu turismo de natureza, é procurado.

Como Vossa Excelência bem sabe, muitos têm sido os governantes a falar do Interior. Eu sei que todos eles sabem, que o país não se pode dar ao luxo de desperdiçar parte do seu território.

Há que passar das palavras aos atos!

A criação do conceito “baixa densidade” foi um começo, mas, se ficar pelo conceito, de nada vale.

Este governo procedeu recentemente, à criação da Unidade de Missão para a Valorização do Interior.

Estou convencido, que a coordenadora, Prof. Helena Freitas, e o coordenador adjunto, Eng.º João Paulo Catarino, ambos com vasto conhecimento do interior deste país, terão um papel fundamental na sinalização de situações e obras, que permitam a afirmação do Interior de Portugal e provoquem uma nova abordagem no aproveitamento e valorização dos recursos.

Senhor coordenador adjunto, Eng.º João Paulo Catarino, desejo-lhe a si e a toda a equipa, o maior sucesso, que será também o sucesso do Interior do País.

Dr. Eduardo Cabrita, temos aí o “Portugal 2020”. Vem devagarinho e, quanto a mim, vem também um pouco de costas voltadas para os municípios, partindo do princípio de que, no que às infraestruturas diz respeito, quase tudo estará feito.
 
Todos sabemos que assim não é, mas, como nos chega desta forma, saberemos aproveitar o melhor possível os objetivos que traz, tanto em Comunidade, como regionalmente.

Espero que também os nossos empresários vejam nele uma ferramenta que lhes permita crescer, aumentar a competitividade e que seja possível criar mais emprego nesta região.

Senhor Ministro adjunto, no início falei da alma e do vigor das gentes deste concelho. Disse também que nunca deixámos de lutar por aquilo que entendemos ser de justiça e que achamos fundamental para a valorização dos nossos recursos e para a atração de investimentos, que permitam a criação de mais postos de trabalho.
 
Estou a falar da acessibilidade à Pampilhosa da Serra!

Dr. Eduardo Cabrita, Pampilhosa da Serra precisa, e merece, uma melhor ligação a Coimbra e a Lisboa. E está tão fácil! Apenas e só a retificação e alargamento da EN 344, que nos liga ao IC 8 e à A13. São cerca de 20 Km.
 
Segundo o estudo prévio feito pelo Município, e já entregue nas Infraestruturas de Portugal, tem um custo de cerca de oito milhões de euros.

Senhor Ministro Adjunto, Pampilhosa e a região precisam e merecem esta melhoria. Não estamos a pedir uma obra megalómana. Pedimos apenas que nos tratem como portugueses que cumprem as suas obrigações e que, para terem sucesso, fazem o dobro do esforço daqueles que vivem junto das grandes vias.
 
No dia 10 de abril de 1385, D. João I concedeu a este concelho, a Carta de Privilégios, que ficou na História.

E chegou o momento do pedido referido no início: permita, Dr. Eduardo Cabrita, que hoje, aqui e agora, lhe peça que envide todos os esforços junto do Senhor Primeiro Ministro e do Senhor Ministro das Infraestruturas, para que a concretização deste objetivo, que é de extrema justiça, seja realizada.

Seria muito bom para todos nós que, também nesta matéria, se fizesse História.

Eu acredito!

Senhor Ministro Adjunto, os Bombeiros que aqui saúdo e a quem agradeço a participação nesta cerimónia, passarão a contar com mais uma ambulância de excelente qualidade, fruto da generosidade de um grande pampilhosense, o nosso grande empresário, Rui Olivença.
 
Agradeço também a colaboração da nossa Banda Filarmónica que soma já 308 anos de existência e que é constituída por executantes tão jovens!
Dr. Eduardo Cabrita, é uma honra muito grande, tê-lo connosco neste dia. Espero que se sinta bem entre nós, e obrigado por ter vindo à Pampilhosa da Serra, mais uma vez.
 
Os pampilhosenses esperam que o nosso problema possa ter resposta positiva nas decisões de Vossa Excelência e do Governo de Portugal.

Muito obrigado a todos os presentes.

Muito obrigado, Senhor Ministro.

Viva a Pampilhosa da Serra!

Viva a Pampilhosa da Serra!

10 de abril de 2016

José Brito

Partilhar